Conheça a história do nosso time Comercial

Os desafios do nosso Comercial ao longo dos anos

Nosso time de Agentes Stone está todos os dias lado a lado da nossa Razão, os donos e donas de negócio do Brasil, apoiando cada um deles em sua jornada empreendedora.

A história do time Comercial começou em 2015, e foi contada pelo Luiz Obregon, contratado pelo Guga Botelho para empreenderem juntos no time comercial. Eles fizeram parte dessa jornada de desafios e evolução constante, que transformou o nosso time na maior onda verde do mundo, mostrando que nada é impossível quando se tem um propósito genuíno, muita inteligência e energia.

Quer conhecer os principais desafios do nosso Comercial ao longo dos anos? Então, continue lendo e embarque nesta viagem com a gente!

2015: O jeito Stone de vender

Nosso time de polos nasceu em fevereiro de 2015. Naquela época, o modelo de vendas de rua, o chamada “porta a porta”, ainda não era consolidado no mercado de pagamentos. As empresas de maquininha costumavam utilizar agências bancárias e um modelo de vendas pouco ativo.

No primeiro semestre de 2015, o desafio de vender era grande. Nosso Comercial tinha um modelo de vendas pouco efetivo, credenciando em média 3 ou 4 clientes no mês. Então, o maior desafio era encontrar um novo jeito de fazer negócio. 

No segundo semestre, o time encontrou seu próprio jeito, que permanece até hoje! Buscávamos por profissionais que sabiam de perto como era a vida do lojista e quais as dores do empreendedor brasileiro.

À medida que os vendedores entendiam o dia a dia do dono de negócio, o nosso propósito começou a se fortalecer cada vez mais, focando sempre nas necessidades da nossa Razão, o cliente. Afinal, quem estava por trás das operações tinha uma empatia genuína com os empreendedores, o que facilitou a abordagem e a construção de um jeito único de vender, o jeito Stone.

Nosso time Comercial começou a se diferenciar pelo serviço oferecido, que iniciava, justamente, no momento da venda, desde a primeira visita à loja do cliente. Cada interação era uma oportunidade nova de se diferenciar. Por isso, o Comercial apostou no conhecimento sobre o dia a dia do empreendedor e nas interações com os funcionários e o dono da loja, entregando um serviço único.

O time estava realmente interessado em saber quais os desafios enfrentados e os desejos dos lojistas. Com isso, a equipe, naturalmente, criava um relacionamento consistente com o cliente no pós-venda e o interesse de ambas as partes se mantinha ao longo do tempo.

A partir de então, nosso crescimento foi muito rápido! O time credenciava o lojista e ele indicava a empresa para os conhecidos, iniciando uma reação de recomendação em cadeia. Assim, o Comercial começou a dominar microrregiões a partir da indicação dos lojistas, o que facilitou o processo de aproximação com outros donos de negócio e permitiu a abertura da primeira operação fora do Rio de Janeiro, em Cabo Frio.

O ano de 2015 terminou com um time de 8 pessoas no polo do Rio de Janeiro, 3 pessoas no de Cabo Frio e outros 3 profissionais no polo de São Paulo, além de uma liderança do time, somando 15 pessoas no total. Nesta época, a equipe credenciava, em média, 1 cliente por dia, melhorando muito os números em comparação com o início do ano.

2016: Modelo operacional encaixado

Os ótimos resultados de 2015 trouxeram bastante otimismo para o início de 2016. O desafio agora era abrir 6 novos polos! Para isso, a estratégia adotada foi começar por cidades menores do interior.

O ano de 2016 também foi fundamental para encaixar o nosso modelo operacional. A operação contava com um dono do polo que liderava a equipe regional e tinha como objetivo garantir o onboarding do cliente e o cumprimento da rotina de trabalho, bem como o compromisso com resultados. Foi nesta época também que se consolidou a estratégia de dono de rota, que envolvia a visita periódica à loja do cliente para manter o bom relacionamento.

Além dos polos das capitais de São Paulo e Rio de Janeiro, neste ano, foram abertos os polos de Guaratinguetá, de Balneário Camboriú e de Chapecó.

Este também foi o ano de aquisição da Elavon pela Stone. A empresa adquirida adotava o modelo de distribuição porta a porta semelhante ao usado pelo nosso Comercial. Além disso, se nós tínhamos 25 pessoas na equipe própria, a empresa adquirida tinha um time de quase 300 profissionais.

Por isso, de maio até agosto de 2016, o Comercial focou os esforços nessas operações, com o objetivo de avaliar e definir o modelo mais adequado para seguir. A partir de agosto, voltamos a acelerar os processos e a crescer. 

No fim do ano, o Comercial expandiu para as cidades de Taubaté e São José dos Campos, formando o nosso primeiro distrito de atuação, o Vale do Paraíba. Além disso, as operações concentradas nas capitais do Rio e de São Paulo foram divididas pelas diferentes zonas de cada uma das cidades. Por fim, abrimos mais duas operações em Santa Catarina, uma em Blumenau e a outra em Balneário Camboriú, que foi separada entre os polos de Itajaí e de Balneário.

O Comercial terminou o ano com mais ou menos 40 pessoas na equipe, alcançando a meta inicial e encontrando um modelo de vendas e expansão replicável em todo o Brasil.

2017: A escalada operacional

O ano de 2017 marcou o momento em que a escalamos nossas operações no território brasileiro, pintando de verde o Nordeste. Mais um grande passo para pintarmos todo o Brasil de verde!

Confiante com o modelo de vendas, o Comercial estabeleceu o desafio de abrir mais 50 novos polos pelo Brasil e montar uma equipe de 600 profissionais até o fim do ano. Em média, era preciso abrir quase um polo por semana e mitigar as chances de erro, para não criar um gargalo no processo. 

Um dos desafios era encontrar pessoas com capacidade de liderança e aprendizado rápido. Então, no início do ano, a equipe viajava até o novo polo para fazer apresentações nas faculdades e entrevistar profissionais para integrarem o Comercial.

O time tinha a estratégia de ir expandindo geograficamente em torno de uma mesma cidade, o que facilitou muito o processo de expansão. Em cada um dos polos, o Comercial montava a operação e alguém da equipe ficava responsável por liderar aquela região.

Durante este período de escalada, abrimos 75 novos polos, superando a meta estabelecida inicialmente. O modelo de negócio estava bem encaixado e o time encontrou profissionais de excelência para tocar as operações. O resultado foi a expansão do negócio para as principais cidades do Brasil.

2018: Padronização das operações

Em 2018, o Comercial continuou com o desafio de escalar as operações. A meta agora era dobrar o time, chegando a 1200 pessoas. Além do objetivo de expandir a equipe, tínhamos o desafio de consolidar uma estrutura e um padrão operacional, com o objetivo de construir uma identidade única.  

Com a expansão da Stone, o Comercial começou a enfrentar os desafios de uma operação maior, como adotar uma plataforma para registrar os dados dos clientes, definir, padronizar e controlar processos, para alcançar um nível de excelência escalável. 

Para nós, foi um ano de trabalho intenso e muito propósito, o que trouxe resultados bastante positivos. Um outro grande marco do ano foi o nosso IPO, que aconteceu na bolsa de Nova York, mas foi comemorado por cada coração verde, em todos os polos do Brasil.

2019: Concorrência

Um dos grandes aprendizados da nossa trajetória até 2019 foi o de que o Brasil ainda tinha mais espaço para expandir os polos. Com o crescimento acelerado e a conquista de diferentes regiões brasileiras, a Stone teve que enfrentar a concorrência.

Ao longo do ano, precisamos repensar os processos e revisar nosso motor de preços. O modelo de operação teve que evoluir rapidamente e a equipe tinha o desafio de dobrar o número de profissionais e chegar até o fim do ano com 2000 agentes, o que acabou se concretizando.

2020: Reinvenção

O principal desafio do ano passado para o nosso time Comercial foi se reinventar e preservar a identidade da marca diante das novas circunstâncias apresentadas pela pandemia.

No início de 2020, o maior objetivo era continuar expandindo as operações, mas, com a pandemia, foi preciso replanejar e priorizar o carinho e cuidado com a nossa razão.

Além de continuar expandindo os polos, o desafio para 2021 é oferecer uma solução mais robusta para o lojista e transformar alguns dos hábitos que ele tem, liderando esse processo de mudança no Brasil. Afinal, se no início da nossa jornada, estávamos focados na venda das maquininhas de cartão, hoje, temos uma estratégia múltiplas soluções.

Oferecemos soluções integradas para o lojista, para ajudá-los em todas as etapas do negócio, da gestão à fidelização de consumidores. Nosso grande objetivo agora é ser o principal parceiro do cliente!

Cultura Stone

A cultura desenvolvida aqui na Stone certamente é uma das principais responsáveis pelos excelentes resultados ao longo dos anos. O nosso time Comercial sempre nutriu uma grande admiração pelo lojista e pela coragem que o empreendedor tem de abrir um negócio. Por isso, o cliente é a essência da nossa cultura – é para ele que o nosso negócio existe, e é por ele que estamos aqui.

Essa admiração leva, naturalmente, ao respeito pelo dono de negócio e a necessidade de ouvi-lo e entender seus desafios. Tal propósito é a base do nosso modelo de vendas e um dos nossos grandes diferenciais. Além disso, o time Comercial tem uma forte cultura voltada a resultados, que valoriza a disciplina e a vontade de aprendizado constante. Por isso, buscamos profissionais com uma mentalidade de evolução!

E aí, quer fazer parte da história do nosso time Comercial e mudar a realidade do empreendedorismo no Brasil? Então, confira as oportunidades neste link !

Biblioteca Stone: conteúdo aberto para impulsionar a sua jornada!

Já pensou ter acesso a materiais exclusivos que podem ser decisivos para o seu desenvolvimento ? Uma das iniciativas da Stone para apoiar a educação no Brasil é a criação da Biblioteca Stone Co., recheada de conteúdo gratuito para você se preparar para os desafios do futuro e trilhar o seu próprio caminho. 

Com ela, você tem acesso a diferentes trilhas de conhecimento, videoaulas de curta duração e um podcast com nomes de referência no mercado. Vem conhecer tudo que a Biblioteca Stone Co. traz para impulsionar a sua carreira!

Trilhas de conhecimento

As trilhas de conhecimento envolvem indicações e breves resumos de livros importantes para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Além disso, disponibilizamos também materiais complementares para potencializar ainda mais o seu aprendizado.  

São diversas trilhas de conhecimento que trazem os assuntos mais relevantes para te destacar no mercado de trabalho. Vem conhecer e se preparar para os desafios da sua carreira! Entre outros assuntos, você vai aprender sobre:

  1. Cultura Stone Co.

A trilha Cultura Stone Co. traz os livros que guiam o nosso propósito e a nossa cultura. Aqui, você vai encontrar títulos sobre gestão, filosofia, satisfação dos clientes e tomadas de decisão.

Alguns livros que você encontra nesta trilha:

  • Paixão por Vencer, Jack Welch
  • Equipes Brilhantes, Daniel Coyle
  • O jeito Disney de encantar os clientes, Disney Institute
  • Os Ensaios de Warren Buffett, Lawrence Cunningham

Saiba mais sobre a trilha neste link

  1. Empreendedorismo

Na trilha de empreendedorismo, você vai conhecer as ferramentas necessárias para enfrentar os desafios de um negócio, como escalar, traçar estratégias eficientes e se destacar da concorrência. 

Alguns títulos deste grupo são:

  • Startup: Manual do Empreendedor, Steve Blank e Bob Dorf
  • Business Model Generation,  Alexander Osterwalder e Yves Pigneur
  • Blitzscaling, Reid Hoffman e Chris Yeh

Conheça mais sobre a trilha aqui.

  1. Gestão de Equipe

Se você quer motivar toda a sua equipe e aproveitar o melhor de cada profissional, esta é a trilha ideal! Os livros desta seleção vão apontar os melhores caminhos para ter um time comprometido e cheio de propósito.  

Os títulos desta trilha são:

  • Um novo jeito de trabalhar, Laszlo Bock
  • Nudge, Richard H. Thaler e Cass R. Sunstein
  • Team of Teams, General Stanley A. McChrystal, Tantum Collins, David Silverman e Chris Fussel
  • Checklist: Como fazer as coisas benfeitas, Atul Gawande
  • Motivação 3.0 (Drive), Daniel H. Pink

Saiba mais, clicando aqui

  1. Liderança

Estar em uma posição de liderança está nos seus planos para o futuro? Então, você vai adorar esta trilha! Aqui, trazemos dicas valiosas de grandes nomes do mercado para você se inspirar. 

Estes são os livros que você vai conhecer:

  • Extreme Ownership, Jocko Willink e Leif Babin
  • Equipes Brilhantes, Daniel Coyle
  • O coach de um trilhão de dólares, Eric Schimidt, Jonathan Rosenberg e Alan Eagle
  • Pipeline de Liderança, Ram Charan, Stephen Drotter e James Noel
  • High Output Management, Andrew S. Grove
  • Liderança: A inteligência emocional na formação do líder de sucesso, Daniel Goleman

Acesse esta trilha aqui.

Videoaulas sobre os livros

Além de todo o conteúdo das trilhas de conhecimento, a Biblioteca Stone Co. disponibiliza também videoaulas de curta duração sobre os livros para você fixar ainda mais tudo o que aprendeu. É um modelo muito prático, que te permite expandir o seu conhecimento em qualquer lugar! 

Com as aulas, você vai saber mais sobre a trajetória dos autores de cada livro e os principais aprendizados que cada título traz. Você vai encontrar aulas sobre títulos que nos inspiram, por exemplo:

  • Paixão por Vencer, Jack Welch
  • Conversas Difíceis, Douglas Stone
  • A Arte de Fazer Acontecer, David Allen
  • As Armas da Persuasão, Robert Cialdini

Confira todos os materiais, clicando neste link.

Literalmente Stone

O Literalmente Stone é um podcast semanal comandado por Fernanda Teich, líder do time de Educação da Stone Co. A cada segunda-feira, ela traz um convidado diferente para bater um papo sobre livros de referência no mundo dos negócios.  

Se você busca uma forma leve de aprender sobre liderança, motivação, garra e estratégia, não perca os episódios! Aqui, um gostinho dos programas passados: 

#1: Liderança, com Fernanda Teich

#2: Paixão por Vencer, com Augusto Lins

#3: O Coach de Um Trilhão de Dólares, com Eduardo Pontes

#4: Extreme Ownership, com Mateus Biselli

#5: Transformando Suor em Ouro, com Bernardinho

O podcast está disponível no Spotify e pode também ser acessado neste link.

E aí, o que achou destas dicas de conteúdo?

Para ficar por dentro das novidades e elevar o seu conhecimento para o próximo nível, acesse agora a Biblioteca Stone Co. e confira de perto tudo o que ela oferece! 

Bom aprendizado e até a próxima!

Vídeo Pitch: como gravar um para processos seletivos?

Vídeo Pitch

Muitas pessoas não estão acostumadas a gravar vídeo, muito menos a gravar vídeo para passar em processos seletivos. Porém, muitas empresas vêm adotando a prática do vídeo pitch em alguma etapa de seus processos. Mas, quem disse que os candidatos estão se sentido preparados para lidar com isso? Foi pensando exatamente nisso que decidimos escrever um texto com dicas básicas para gravar um vídeo campeão!


Antes de falar o que fazer, vale reforçar o que não fazer (o que às vezes, é até mais útil):

  • Ler texto durante a gravação do vídeo – Mesmo que não mostre o papel, nós, avaliadores, conseguimos ver seu olho se mexendo… O objetivo do vídeo não é ouvir o conteúdo apenas, mas sim ver um pouco mais de você e, inclusive, como você se expressa.
  • Fazer jogral / Decorar na vírgula sua fala / Falar de forma robótica – Não queremos uma pessoa 100% travada. Sabemos que dá nervoso em falar diante das câmeras, mas assim como falamos no item acima, nosso objetivo com esse tipo de etapa é te conhecer e ver como você se expressa. Queremos conhecer sua autenticidade!
  • Ultrapassar o tempoMuitas empresas penalizam o uso indevido do tempo. Afinal, é injusto um candidato utilizar tempo a mais, sendo que um dos ponto-chave é a pessoa conseguir sintetizar o que é pedido.
  • Fazer na metade do tempoAo mesmo tempo, também fica feio você usar um tempo muito abaixo do pedido. Pense no cenário em que você só tem esse momento para vender seu peixe! Aproveite e use-o da melhor maneira possível!
  • Falar rápido para caber no tempo do vídeo – Nosso objetivo não é ver somente o conteúdo que você está nos apresentando, mas também a maneira como você se expressa. Se você fala muito rápido, talvez seu avaliador simplesmente não entenda a sua mensagem. E você não quer correr esse risco, quer?

 

Agora que você sabe o que não fazer, vamos dar algumas dicas de como fazer um bom vídeo:

  • Vídeo Pitch 2Estruture suas ideias antes em um papel – Anote tudo o que você está pensando em dizer. Não saia gravando direto o vídeo! A menos que você seja hiper talentoso(a), é importante você se preparar e refletir sobre o que você pretende falar.
  • Foque-se em poucos conteúdos – O objetivo é ver sua capacidade de síntese e a maneira como você se comunica. Por isso, é melhor você ter um racional bem estruturado e nos mostrar o porquê você escolheu tais assuntos do que tentar falar da sua vida inteira em 2 minutos. Nós, avaliadores, sabemos que é impossível fazer isso. Não é esse nosso objetivo com a etapa.
  • Treino, treino, treino – Como sabemos, a maioria das pessoas não está acostumada a gravar vídeos, então é importante praticar. Depois que você já escreveu o que você pretende falar, está na hora do treino! Experimente falar primeiro apenas cronometrando para ajustar os ponteiros do tempo médio que você demora para falar e também para ver se o conteúdo ainda está grande ou pequeno demais. Feito isso, comece a gravar e reveja seus vídeos. Anote o que você não gostou na sua fala, verifique sua entonação, em quais partes quer dar mais ênfase… Então, grave de novo. Grave quantas vezes forem necessárias para você atingir um patamar de segurança de que este é o melhor vídeo que você poderia fazer.
  • Peça ajuda – Outra sugestão é pedir para alguma pessoa próxima ver você falando ou gravando o vídeo e pedir para ela dar um feedback honesto sobre sua performance e que te dê sugestões para deixar o vídeo ainda melhor. Por ser uma terceira pessoa vendo, ela pode dar insights que nossa autocrítica não pega.

 

DICAS FINAIS (ALÉM DO VÍDEO PITCH)

Aqui, as dicas não são apenas para a etapa do vídeo pitch, mas envolve a postura que você pode adotar durante todas as etapas de qualquer processo seletivo. Tenho certeza que te ajudarão a ser aprovado(a).

  • Dê o seu melhor – Não só nessa etapa, mas em tudo o que você fizer na sua vida. A vida é muito curta para não dar o seu melhor em tudo o que você faz. Fique com a consciência tranquila que você fez tudo que estava ao seu alcance para que as outras pessoas “sintam” o quanto você se dedicou para a atividade (enquanto os outros fazem o possível, você dá o seu melhor).
  • Resiliência – Não tem nenhuma batalha mais dolorosa do que a de você contra você mesmo(a). Vai vencendo cada etapa, cada jornada, cada desafio. É difícil crescer, é difícil dar o próximo passo. Você vai se frustrar bastante. Vai descobrir coisas que você achava que sabia e não sabe tanto. Coisas que você nunca tinha se testado e vai se descobrir. Meu conselho é que você entenda que vai doer (várias coisas não vão necessariamente de acordo com seus planos, e isso dói), mas que queira continuar mesmo assim, pois é assim que você vai conseguir dar o próximo passo.
  • Humildade – É uma época muito frustrante, a gente fica cheio de medos sobre nós mesmos. Acho a época perfeita para crescer. Por isso, peça feedbacks para todo mundo que você confia na opinião sobre as coisas que você poderia / deveria melhorar. Ouça elas com atenção e bole planos para melhorar rápido. Não fique se justificando… Só melhore.

 

Essas foram nossas principais dicas para ajudar a melhorar seu vídeo. Esperamos que agora você esteja se sentindo mais preparado(a) para seguir em frente nos nossos processos! Esperamos te ver em breve nas próximas etapas!

por Lívia Kuga
Recruta de 2014.2 e Head de Atração e Seleção

Afinal, o que é o Recruta Stone?

Os processos tradicionais de trainee você já conhece: processos normalmente feitos por grandes empresas com o objetivo de atrair jovens no fim da graduação ou recém-formados para treiná-los e assumirem grandes projetos, geralmente em cargo de gerência ou coordenação. Daí que vem o cargo trainee, alguém que está em treinamento para algo, normalmente, por um período determinado. Mas se o Recruta é diferente, o que ele é? Continue lendo “Afinal, o que é o Recruta Stone?”

5 dicas para quem busca pelo conhecimento

busca-pelo-conhecimento

Você sabia que cada dia sem aprender é uma perda irrecuperável? De acordo com o psicólogo Abraham Maslow, isso se dá pelo fato de que cada pessoa tem uma capacidade limitade de aprendizado por dia. Aqui na Stone, acreditamos no poder do estudo aprofundado como fonte para nos tornarmos melhores no que fazemos. Fica então a dúvida: como potencializar o nosso conhecimento?

Continue lendo “5 dicas para quem busca pelo conhecimento”

Dia do Consumidor: o nosso jeito de cuidar das nossas pessoas como clientes e não apenas consumidores

consumidor

A data de 15 de março é conhecida como o Dia do Consumidor. Essa comemoração mundial existe desde 1962, quando o presidente norte-americano J. F. Kennedy a instituiu como uma forma de proteção aos interesses dos consumidores americanos, oferecendo 4 direitos:  segurança, informação, ser ouvido e direito a escolha.

Continue lendo “Dia do Consumidor: o nosso jeito de cuidar das nossas pessoas como clientes e não apenas consumidores”

Dia da Mulher: conheça a história de duas líderes que fazem a diferença na Stone

dia da mulher

Hoje é o Dia Internacional da Mulher. Se, de uns tempos para cá, cada vez mais o movimento feminista e o de sororidade (que, segundo estudiosas, significa algo como “o apoio recíproco entre as mulheres para se conseguir o poder para todas”) vem ganhando força na sociedade mundial, o dia de hoje representa o grande ápice dessa luta.

Mas, felizmente, o movimento de conscientização sobre a força feminina e sua igualdade perante o sexo masculino não tem sido debatido apenas nesta época do ano. Este é um tema recorrente na mídia, nas produções culturais e de entretenimento e, claro, também nas empresas.

Continue lendo “Dia da Mulher: conheça a história de duas líderes que fazem a diferença na Stone”